Quatro obras de Artur Cruzeiro Seixas vão a leilão em Londres, a 08 de março, refletindo o crescente reconhecimento internacional do artista surrealista português, explicou uma especialista da leiloeira Bonhams. 
As obras, com valores estimados entre 1.000 e 7.000 libras (1.200 e 8.400 euros), fazem parte de um leilão com 66 lotes dedicado ao surrealismo, onde se destacam obras de Max Ernst, Salvador Dali, Yver Klein, André Breton, Man Ray. 
Segundo a diretora de vendas da Bonhams, Ruth Woodbridge, esta leiloeira britânica é a primeira internacional a oferecer o trabalho do português a um mercado global.
"Antes vendido principalmente em Portugal, os preços mais altos realizados por [trabalhos de] Seixas em leilão foram para esculturas zoomórficas monumentais, mas a contribuição para o movimento surrealista em geral agora está a ser reconhecida graças à inclusão na atual exposição da Tate Modern, 'Surrealism Beyond Borders'", disse. 
"A noite sem fim", um desenho a guache e aguarela executado em 1977, tem um intervalo de venda entre os 5.000 e 7.000 libras (6.000 e 8.400 euros), enquanto "Estudo para um desenho perdido", um desenho a tinta-da-China realizado em Angola em 1957, está estimado entre 4.500 e 6.500 libras (5.400 e 7.800 euros). 
Uma obra sem título nem data que consiste numa colagem num envelope, está avaliada entre 1.800 e 2.500 libras (2.150 e 3.000 euros) e outra obra, também sem título, de 2013, realizada em metal, tem um preço base entre 1.000 e 1.500 libras (1.200 e 1.800 euros). 
Woodbridge salienta o facto de Cruzeiro Seixas ser um "artista experimental que utilizou todos os meios, seja pintura, desenho, poesia, colagem ou escultura" e cujo trabalho "reflete as influências de André Breton, Salvador Dalí e Giorgio de Chirico, [que] podem ser vistas nas suas paisagens alienígenas, ambientes noturnos e evocação de fantasmas e monstros".
O trabalho de Cruzeiro Seixas tem sido exposto internacionalmente nos últimos anos em países como Espanha, França e Estados Unidos. 
Atualmente, está integrado na exposição coletiva sobre o surrealismo no museu Tate Modern, na capital britânica, onde a escultura "O seu olhar já não se dirige para a terra, mas tem os pés assentes nela" foi colocada lado de um trabalho de Marcel Duchamp. 
O diretor artístico da Perve Galeria, Carlos Cabral Nunes, congratula-se por um "trabalho de divulgação da obra de Cruzeiro Seixas" que tem vindo a fazer, nomeadamente na  feira de arte internacional Frieze, também na capital britânica, no ano passado. 
"No seguimento dessa mostra, foi-nos solicitada a colaboração por várias instituições, que ficaram muito interessadas em promover a obra de Cruzeiro Seixas, junto dos seus públicos. A Bonhams foi uma dessas organizações e nós temos procurado ajudar nesse processo de internacionalização", disse à Lusa. 
Cabral Nunes disse que tem repetido, "em vários fóruns, que o Surrealismo português é, provavelmente, um dos últimos mistérios a revelar, no panorama artístico internacional, relativamente ao século XX, e é fascinante, para nós, termos a possibilidade de colaborar nesse sentido".
Artur Manuel do Cruzeiro Seixas morreu em 2020, apenas a 25 dias de completar o centenário do seu nascimento.
Cruzeiro Seixas teve um longo percurso artístico, começando por uma fase expressionista, outra neorrealista e outra, com início no final dos anos 1940, mais prolongada, no movimento surrealista português, ao lado de Mário Cesariny, Carlos Calvet, António Maria Lisboa, Pedro Oom e Mário-Henrique Leiria.
Foi esse movimento artístico surgido no início do século XX, que viria a revolucionar a arte, que provocou nele uma acesa paixão criadora que manteria até ao fim da vida. Em 2011, numa entrevista à agência Lusa, declarou, convicto, sobre o Movimento Surrealista: "Até hoje, nada apareceu de melhor".
Artur Cruzeiro Seixas deixou um vasto trabalho nas artes plásticas e visuais e foi também um poeta prolífico, tendo o seu acervo artístico sido doado à Fundação Cupertino de Miranda, em Vila Nova de Famalicão, em 1999, que tem vindo a salvaguardar, exibir e publicar a obra. 

No nosso Leilão 34 - Arte Contemporânea temos as seguintes obras do artista:

Lote 20 - Cruzeiro Seixas (1920-2020)

Lote 31 - Cruzeiro Seixas (1920-2020), Alfredo Luz (n.1951), "Pombas"

 

 

Os 200 pares de ténis Vuitton-Nike, desenhados por Virgil Abloh antes de morrer, arrecadaram quase 22 milhões de euros num leilão na Sothesby's, anunciou a casa leiloeira à agência noticiosa AFP. 

O prestigiado ex-diretor criativo da Louis Vuitton, Virgil Abloh, morreu subitamente, a 28 de novembro de 2021, de cancro, aos 41 anos.

naom 61a3e3950b436

E agora, 200 pares de ténis Vuitton-Nike, desenhados pelo estilista arrecadaram 25 milhões de dólares - aproximadamente 22 milhões de euros - num leilão na Sothesby's. 

Valores surpreendentes que superaram significativamente as estimativas da Sothesby's, que esperava que cada par do modelo 'Air Force 1', à venda por dois mil dólares (1750 euros), alcançasse entre cinco mil (4375 euros) a 15 mil dólares (13 125 euros).

De acordo com a AFP, o preço médio foi de 100 mil dólares (87 501 euros). Sendo que o par mais caro alcançou os 350 mil dólares (306 255 euros) pelo e 75 mil dólares (65 626 euros) pelo mais barato. 

Os pares idênticos do modelo icónico de sapatilhas, que celebra 40 anos, apresentam o distintivo padrão xadrez em castanho, branco e creme da marca de luxo Louis Vuitton, e o logotipo inconfundível da Nike.

 

Sem qualquer licitação, o evento foi dado por terminado, e será retomado a 7 de abril. Terá uma licitação inicial 20% mais baixa em relação a esta terça-feira.

A villa romana do século XVI que contém o único mural de teto de Caravaggio foi a leilão esta terça-feira, com uma licitação inicial de 471 milhões de euros. Prometia tornar-se a casa mais cara alguma vez leiloada, não teve, contudo, nenhum comprador.

Sem qualquer licitação, o evento foi dado por terminado, e será retomado a 7 de abril, com o jornal Corriere a avançar que o próximo leilão terá uma licitação inicial 20% mais baixa em relação a esta terça-feira.

Localizada no Centro de Roma, a villa foi inicialmente construída, segundo a Art News, como um local de caça para um cardeal romano, no século XVI. O seu antigo dono, o príncipe Nicolò Boncompagni Ludovisi, morreu em 2018, e uma disputa familiar levou a que a casa fosse colocada em leilão.

Isto porque a viúva do príncipe, a princesa Rita Boncompagni Ludovisi — antiga atriz, jornalista, agente imobiliária, escritora e duas vezes modelo da Playboy — pretendia residir permanentemente na villa. Três filhos de Nicolò, do seu primeiro casamento, contudo, opuseram-se à decisão da viúva. Sem qualquer entendimento entre as partes, a venda da Villa Aurora foi ordenada pelo tribunal.

O mural de Caravaggio por si só é avaliado em 310 milhões de euros, mas estima-se, segundo o The Guardian, que sejam necessários 11 milhões para obras de restauração da villa.

A Lamborghini juntou-se ao artista Fabian Oefner para criar aquele que é o primeiro NFT da marca italiana de automóveis de luxo: uma série de cinco fotografias de um Aventador Ultimae que sai da Terra em direcção ao Espaço.

 

 

Cada fotografia está separada da outra por um segundo, mas as mudanças são impercetíveis. As imagens mostram um automóvel que se esta a desmontar e tem 600 milhões de pixéis, o que significa que, ao fazer zoom, será possível ver vários pormenores deste Aventador.

«As peças, o motor, a transmissão, a suspensão e centenas de porcas e parafusos saem disparar para longe do chassis, como a chama dos escapes de um foguetão», descreve a marca italiana. Ao todo, Fabian Oefner trou 1500 fotografias individuais para criar esta imagem.

Cada NFT é acompanhado por uma peça física, a Space Key, um pequeno quadrado de fibra de carbono que a Lamborghini enviou para o Espaço; esta “chave” vem embebida numa moldura e vai chegar numa mala de metal aos compradores. A Space Key traz um código QR que dá acesso direto às fotografias.

lambo site1

Além da fotografia e da Space Key, também será oferecida uma televisão Frame da Samsung com 65 polegadas, com uma versão da fotografia de Fabian Oefner pré-carregada. Segundo a Lamborghini, a TV será entregue a licitações que «atinjam ou ultrapassem um determinado limite», sem esclarecer qual é o valor ao certo.

Os cinco NFT da Lamborghini podem começar a ser licitados atualmente, cada um está a valer, em média, seis mil dólares (cerca de 5300 euros). As licitações são feitas com criptomoedas, como Bitcoin, Ethereum e até mesmo Dogecoin.

 

Raridade, condição e proveniência continuam a ser os principais impulsionadores do escalão mais alto do mercado.

O leilão sem precedentes da Sotheby's em novembro de obras da coleção dos divorciados Harry e Linda Macklowe atingiu a marca em todos os três pontos, fornecendo alguns dos tesouros mais raros (e mais caros) que o mercado viu em anos. Talvez não surpreendentemente, as obras do tesouro representaram quatro dos 10 lotes mais caros em 2021. A incrível quantidade de riqueza que foi criada ao longo dos últimos dois anos estava em plena exibição nos leilões.

Em 2020, apenas dois dos 10 principais lotes alcançaram preços acima de 50 milhões de dólares cada. Este ano, todos os dez principais lotes foram vendidos bem acima da marca de 50 milhões. Combinados, eles somam um total de 1,2 bilhões de dólares. O preço mais baixo da lista é  61,6 milhões.

 

 10. Jackson Pollock, Número 17, 1951 (1951)

Jackson Pollock, Number 17, 1951 (1951). Courtesy of Sotheby's.

Preço: 61,6 milhões de dólares

Quando: 15 de novembro

Onde: Sotheby’s New York

Por que: O sucesso desta pintura - parte da Coleção Macklowe - foi uma surpresa. Vem de um grupo de 33 telas conhecido como “Black Pourings” ou “Black Paintings”, revelado em 1951, imediatamente após Pollock estrear as composições multicoloridas pelas quais é mais conhecido. A tela de linho não imprimida quebrou sua estimativa de $ 35 milhões e ultrapassou o recorde anterior do artista de $ 58,3 milhões, estabelecido para uma composição de gotejamento mais característica em 2013. Sua proveniência é imbatível: antes que os Macklowes a adquirissem em 1999, ela pertencia ao ilustre colecionador SI Newhouse, e, antes disso, parte da coleção do Metropolitan Museum of Art, que a adquiriu em 1952 da lendária Galeria Sidney Janis.

 

9. Xu Yang, Emperor Qianlong’s Conquest of Xiyu (18th Century)

Xu Yan, <i>Emperor Qianlong’s Conquest of Xiyu (《平定西域獻俘禮圖手捲》), </i> Qing dynasty (1644-1912). Image courtesy Poly International, Beijing.

Preço: 65 milhões de dólares

Quando: 6 de junho

Onde: Poly International, Pequim

Por que: Este pergaminho raro meticulosamente pintado se tornou uma das obras de arte chinesas mais caras já vendidas em leilão. Criado por Xu Yang, que foi recrutado como pintor da corte pelo imperador Qianlong na década de 1750, o pergaminho retrata cenas em Pequim durante as campanhas militares para consolidar o poder do imperador no oeste da China.

A obra de arte detalhada começa no Portão Zhengyangmen de Pequim e passa pela Praça Tiananmen antes de terminar na entrada da Cidade Proibida, onde a obra de arte foi montada, de acordo com a casa de leilões. Ele mudou de mãos publicamente pela última vez em 2009, quando o bilionário chinês e fundador do Long Museum, Liu Yiquan, o comprou por RMB 134 milhões (19,7 milhões de dólares).

 

8. Beeple, EVERYDAYS: THE FIRST 5000 DAYS (Minted February 16, 2021)

Beeple, Everydays – The First 5000 Days. Courtesy of the artist and Christie's.

Preço: 69,3 milhões de dólares

Quando: 11 de março

Onde: Christie’s Nova York

Por que: a Christie’s não tinha ideia do que esperar quando, em março, vendeu uma composição de alta resolução de imagens digitais que Beeple (nome real: Mike Winkelmann) criava todos os dias desde maio de 2007 junto com o NFT da obra. Nos minutos finais da venda online de duas semanas, os licitantes perseguiram o Everydays – que tinha um preço inicial de 100 dólares – para 69,3 milhões de dólares. O comprador foi o estúdio de produção NFT com sede em Singapura e o fundo de criptomoedas Metapurse, que usou a compra para promover seu próprio token representando ações fracionárias de suas participações de arte digital (que incluíam vários outros Beeples).

Claro, 69,3 milhões de dólares é muito dinheiro. Mas tornar-se instantaneamente famoso na esfera da arte criptográfica, colocando NFTs no centro da conversa global e potencialmente aumentando o valor de muitos outros trabalhos do Beeple em seu portfólio? Isso não tem preço, mas pode valer mais de 69,3 milhões.

 

7. Claude Monet, Le Bassin aux nymphéas, (1917–19)

Claude Monet, Le Bassin aux nymphéas (1917-19_. Image courtesy Sotheby's.

Preço: 71,35 milhões de dólares

Quando: 12 de maio

Onde: Sotheby’s New York

Por que: os "Palheiros" de Monet podem ser suas séries mais caras e raras (o quadro de 1891 Mueles foi vendido por um recorde de 110,7 milhões de dólares em 2019), mas os "Lírios d'água" do artista continuam sendo os mais famosos. O rico uso de cores de Monet torna Le Bassin aux nymphéas uma peça de destaque. Foi exibido em todos os Estados Unidos, do Metropolitan Museum of Art de Nova York ao Los Angeles County Museum of Art, e foi visto pela última vez em um leilão na Sotheby’s em 2004, quando arrecadou 16,8 milhões de dólares.

 

6. Vincent van Gogh, Cabanes de bois parmi les oliviers et cyprès (1889)

Vincent van Gogh, Cabanes de bois parmi les oliviers et cyprès (1889). Courtesy of Christie's Images, Ltd.

Preço: 71,35 milhões de dólares

Quando: 11 de novembro

Onde: Christie’s New York

Por que: apesar de toda a conversa sobre a mudança de gosto (e acredite, nós lideramos o ataque), a apresentação da coleção montada pelo falecido magnata do petróleo do Texas Edwin Lochridge Cox provou que ainda há amplo apetite por obras-primas impressionistas, desde que sejam de alta qualidade e por marcas. Este idílico Van Gogh da coleção Cox está agora entre as cinco obras mais caras vendidas pelo mestre impressionista holandês já vendidas em leilão. Van Gogh criou a obra enquanto estava em um asilo fora de Saint-Rémy-de-Provence. Passou pelas mãos da viúva de seu irmão, famoso colecionador de arte mexicano e negociante Marius de Zayas, e de Cox, que o comprou em 1982. Em leilão, foi comprado por Hugo Nathan, sócio fundador da firma de consultoria de Londres Beaumont Nathan .

 

5. Alberto Giacometti, Le Nez (1947)

Alberto Giacometti, Le Nez Conceived in 1947; this version conceived in 1949 and cast in 1965. Image courtesy Sotheby's.

Preço: 78,4 milhões de dólares

Quando: 15 de novembro

Onde: Sotheby’s Nova York

Por quê: A venda desta escultura essencial de Giacometti da Coleção Macklowe surpreendeu muitos, não necessariamente pelo preço (era a segunda obra mais cara do acervo), mas por quem a comprou: o cripto-bilionário Justin Sun. Elogiando-a como uma das “esculturas mais essenciais e de longo alcance” de Giacometti, Sun observou em um tweet que a assombrosa escultura pós-Segunda Guerra Mundial de uma cabeça de bronze com um nariz extremamente longo e pontudo era a capa do catálogo da Sotheby's para o Macklowe oferta. Outra versão apareceu na capa do catálogo da retrospectiva de Giacometti de 2018 do Museu Solomon R. Guggenheim, “o que comprova a importância desta escultura na carreira criativa de Giacometti e a influência da história da arte”, disse ele. Sun, que tem apenas 31 anos e fundador da plataforma de criptomoedas TRON, comprou a obra por meio de sua Fundação APENFT. Agora está sendo assimilado digitalmente para ficar “em exibição” no Museu Virtual APENFT em Cryptovoxels no metaverso. Imagine tentar explicar isso para Giacometti.

 

4. Mark Rothko, No. 7 (1951)

Mark Rothko, No. 7 (1951). Photo courtesy of Sotheby's.

Preço: 82,5 milhões de dólares

Quando: 15 de novembro

Onde: Sotheby’s Nova York

Por que: o mercado de Rothko se desfez nos últimos anos, com poucos exemplos estelares do expressionista abstrato chegando a leilão e dinheiro novo se tornando mais engajado com jovens artistas e novas mídias. Mas o número 7 tinha muito a oferecer - a paleta, a escala e o ano são considerados os melhores do artista. O trabalho há muito era um prêmio de Harry e Linda Macklowe e provavelmente nunca teria atingido o bloco se não fosse pelo processo de divórcio. Foi comprado por um cliente asiático da Sotheby's por US$ 82,5 milhões, pouco abaixo do recorde de US$ 86,9 milhões do artista que está em vigor desde 2012.

 

3. Sandro Botticelli, Portrait of a Young Man Holding a Roundel (circa 1480)

Sandro Botticelli, Young Man Holding a Roundel. Image courtesy Sotheby's.

Preço: 92,1 milhões de dólares

Quando: 28 de janeiro

Onde: Sotheby’s New York

Por que: Botticellis não aparece em leilão todos os anos, e é por isso que este retrato requintado e misterioso foi um grande evento de mercado. Anonimamente consignado pelo bilionário imobiliário Sheldon Solow pouco antes de sua morte em novembro de 2020, o trabalho passou décadas emprestado na National Gallery of Art em Washington, D.C., e no Metropolitan Museum of Art em Nova York. Solow o adquiriu por cerca de US $ 1 milhão em 1982, quando foi atribuído a Botticelli, mas sua autoria ainda não foi confirmada. O novo preço foi o resultado mais alto para uma pintura do Old Master desde o leilão de 450 milhões de dólares de Salvator Mundi em 2017. Também redefiniu o mercado de Botticelli, cujo recorde anterior do leilão era de $ 10,4 milhões. Embora a identidade do assistente seja desconhecida, alguns dizem que pode ser Giovanni di Pierfrancesco de 'Medici, cujo irmão era o patrocinador mundialmente famoso Lorenzo, o Magnífico.

 

2. Jean-Michel Basquiat, In This Case (1983)

Jean-Michel Basquiat, In This Case (1983) Image courtesy Christie's Images Ltd.

Preço: 93,1 milhões de dólares

Quando: 11 de maio

Onde: Christie’s Nova York

Por que: 2021 foi o ano de Basquiat, cujo nome é reconhecido mundialmente e cujas obras totalizaram 414,5 milhões em leilão nos primeiros 11 meses do ano, perdendo apenas para Pablo Picasso. Neste caso foi o mais caro de 118 lotes Basquiat para acertar o bloco. Foi vendido por Giancarlo Giammetti, empresário italiano e cofundador da casa de moda Valentino. Pinturas com imagens de caveiras estão entre as obras mais procuradas de Basquiat e esta foi uma das três versões em grande escala mostradas juntas na Fondation Louis Vuitton em 2018 (as outras são de propriedade do bilionário japonês Yusaku Maezawa e do Museu Broad de Los Angeles). É parte memento mori, um ícone da morte; parte auto-retrato; e parte do logotipo memorável, remontando às origens de Basquiat como artista de rua.

 

1. Pablo Picasso, Femme assise près d’une fenêtre (Marie-Thérèse)(1932)

Pablo Picasso, Femme assise près d'une fenêtre (Marie-Thérèse) (1932). Courtesy of Christie's Images, Ltd.

Preço: 103,4 milhões de dólares

Quando: 13 de maio

Onde: Christie’s New York

Por que: Pablo Picasso fez de novo. O artista espanhol liderou as vendas em leilão em 2021 em termos de volume geral (657,7 milhões de dólares vendidos nos primeiros 11 meses do ano) e no lote mais caro. Uma perene para agradar ao público, a jovem amante de Picasso, Marie-Therese, foi o tema desta grande tela saturada de cores, pintada em 1932, talvez o ano mais cobiçado da carreira histórica do artista. O resultado surpreendeu os fanáticos do leilão que não esperavam fogos de artifício com base na história anterior (abundante) de leilões da obra. O preço final quase dobrou a estimativa de pré-venda de 55 milhões de dólares.

'Cristo como homem de dores' é um retrato de Jesus, num fundo preto, com um olhar profundo e coroa de espinhos ao redor da sua cabeça.

 

 

Uma pintura do mestre italiano renascentista Sandro Botticelli, cujas obras são raras em coleções particulares, foi vendida na quinta-feira por mais de 45 milhões de dólares (cerca de 40 milhões de euros) num leilão em Nova Iorque.

As licitações entre dois compradores, que davam indicações por telefone, duraram sete minutos, e a obra, 'Cristo como homem de dores', foi vendida por 39,3 milhões de dólares, num total de 45,41 milhões de dólares, após taxas e comissões.

O preço final superou as estimativas da casa de leilões Sotheby's, que projetava a licitação final nos 40 milhões de dólares, mas é menos de metade do recorde estabelecido em 2021, de 91 milhões de dólares, para a obra 'Retrato de jovem a segurar um medalhão' do pintor italiano Sandro Botticelli (1445-1510).

Pintura remonta ao início dos anos 1500, no final da vida de Sandro Botticelli

'Cristo como homem de dores' é um retrato de Jesus, num fundo preto, com um olhar profundo, coroa de espinhos ao redor da sua cabeça, cercado por anjos e com as mãos, com chagas, amarradas por cordas.

Segundo os especialistas, a pintura remonta ao início dos anos 1500, no final da vida de Sandro Botticelli, conhecido pelas suas obras expostas na Galeria Uffizi de Florença, como a 'Primavera' ou 'Nascimento de Vénus'.

Os seus frescos adornam a Capela Sistina no Vaticano.

A obra vendida em leilão, bem conservada e 'envolvida' por uma moldura dourada ornamentada, pertenceu no século XIX a uma famosa cantora inglesa da época, Adelaide Kemble Sartoris.

Na sua última venda em leilão, em 1963, tinha sido adquirida por 10 000 libras (cerca de 12.000 euros).

As casas de leilões beneficiaram de um mercado de arte dinâmico em 2021, após um ano de 2020 afetado pela pandemia de covid-19.

A Sotheby's atingiu em 2021 o maior número de vendas da sua história, faturando 7,3 mil milhões de dólares (cerca de 6,5 mil milhões de dólares).

Pág. 3 de 4